] Jornal Correio Popular
Ji-Paraná(RO), 26/09/2021 - 02:24
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br



Avança Ji-Paraná: em qual direção?

Data da notícia: 2021-04-30 18:39:25
Foto: Arquivo Pessoal

Para seguir com as pretensões de apresentar metas ao poder público para as próximas décadas, o movimento Avança Ji-Paraná vai se deparar com erros do passado que, em algum momento, devem dificultar o crescimento futuro. Segundo o IBGE, a cidade de Ji-Paraná possui 6.896,649 km². Deste total, 26,7% estão em área indígena (Reserva Indígena Igarapé Lourdes) e 38,7% em área de reserva ambiental (Reserva Biológica do Jaru).

Ou seja, 65,4% da área territorial são reservas federais das quais o município pouco usufrui. Restam 34,5% que são ocupados pelas populações das zonas urbana e rural (estimada em 130 mil habitantes). A pretensão de avançar economicamente no futuro terá que ser mais bem planejada, sem a possibilidade de corrigir erros cometidos por quem deveria ter pensando mais no futuro.

Quando foi criado, em 1945, o Distrito de Rondônia (futura Ji-Paraná) tinha uma extensão equivalente às cidades de Jaru e Pimenta Bueno. Até então, o Território Federal do Guaporé contava com apenas dois municípios: Porto Velho (capital) e Guajará-Mirim. Em 1969, foi dividido em três sub-distritos: Rondônia, Pimenta Bueno e Vilhena, por causa de sua grande área territorial.

Talvez a euforia de transformar o distrito em município, em 1977, tenha ofuscado os olhos das autoridades da época, impedindo que garantissem às futuras gerações um pouco mais de terra para trabalhar. Em vão. No ano seguinte, em 1978, foram estabelecidos novos limites internos para a criação dos distritos de Presidente Médici e Ouro Preto, com quase o dobro do município sede.

Em 1981, os dois distritos foram elevados à categoria de município, que por sua vez também cederam áreas para o surgimento de novas cidades rondonienses. Embora, Ji-Paraná figure entre as dez maiores cidades rondonienses em extensão territorial, está em posição intermediária e desvantajosa quando se leva em conta a área possível para produção. Temos pouco espaço para crescer e muitas ambições. Por isso, precisamos saber bem em que direção seguir.

Em 2009, foram transformados em distritos os nuares de Nova Londrina e Nova Colina. O que poucos sabem é que os novos distritos não tiveram delimitações fixadas pela lei municipal que os criou. Não se sabe onde começa ou termina. E é bem melhor que permaneçam assim, para que o passado não volte a se repetir.

Se em anos passados, houve pouca atenção com aquela que poderia ter sido a capital de Rondônia, cabe, agora, à sociedade organizada e liderança políticas planejar os próximos passos de uma cidade que, mesmo com os tropeços, ainda possui a segunda maior população do estado.

A iniciativa em estabelecer metas de crescimento e qualidade dos serviços prestados à população, independente de administrações ou administradores, é o ponto central desse movimento. Afinal, nada mais democrático que dividir as decisões com quem realmente produz. De resto, é necessário guardar as propostas e, principalmente, meios para concretizá-las. Até porque, nada pode trazer o passado de volta.

*Jairo Ardull - Escritor e Jornalista


Fonte:


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.