] Jornal Correio Popular


Quinta-feira, 25 / 02 / 2021
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br


CONFLITO AGRÁRIO
PM e sem-terra morrem durante troca de tiros

Data da notícia: 2018-07-27 09:27:22
Foto: Divulgação
Posseiros disseram que procuraram as autoridades para evitar um novo conflito na região

Um confronto na noite de quarta-feira (25), na Linha 28, em Nova Dimensão, Distrito de Nova Mamoré, deixou um policial militar e três integrantes do Movimento Sem Terra mortos. Um sem-terra está desaparecido.
De acordo com o Comando da Polícia Militar, homens do Grupamento de Operações Especiais (GOE), foram recebidos a tiros por um suposto grupo de sem-terra. A ação terminou com um policial e ao menos quatro posseiros mortos no tiroteio. Outros correram baleados para a mata e ainda não foram encontrados.
O sargento J. Batista foi alvejado com um tiro na virilha durante a troca de tiros. Ele foi socorrido, mas morreu no hospital. As equipes da Polícia Militar foram para o local após receberem informações de que os invasores de terra estavam queimando pastos e casas em fazendas na região.
Após conversarem com um caseiro de uma propriedade rural, os militares perceberam uma estranha movimentação e pediram para os invasores se rendessem. Porém, segundo o Comando da PM, eles atiraram antes e teve início um intenso tiroteio.
Um dos posseiros que estava no local, na hora do conflito, denunciou que além dos mortos um quarto sem-terra está desaparecido. Ele contou também que tinham procurado as autoridades alertando sobre os riscos de conflitos na região.
Segundo o posseiro, o dono da área havia permitido, há três anos atrás, que eles entrassem, fizessem a derrubada e dividissem uma parte da terra em 105 lotes.
Há cerca de três meses, conforme o relato, o mesmo fazendeiro pediu que o grupo saísse da área e começou a ameaçá-los. “A área é muito grande, tem uns 5 mil e 600 hectares. PMs ligados ao dono da terra ficavam fazendo ameaças, mas nunca chegaram a bater em ninguém”, disse.
Devido à gravidade da situação, o posseiro afirmou que procurou várias autoridades para denunciar a situação, entre elas o comandante da PM, em Guajará-Mirim. “O coronel Braga, assumiu há três meses e ele nos tratou muito bem e se comprometeu a tomar uma atitude, pois tinha muita coisa que ele não sabia. Agora, estamos esperando o que vai ocorrer para voltarmos para a área”, revelou.


Fonte: Rondoniaovivo


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.