] Jornal Correio Popular


Sexta-feira, 26 / 02 / 2021
JORNAL CORREIO POPULAR DE RONDôNIA - Fone: 69-3421-6853 - E-mail: redacao@correiopopular.com.br


GREVE DOS CAMINHONEIROS
Caminhoneiro é morto após passar por manifestação em Rondônia

Data da notícia: 2018-05-31 10:22:26
Foto: Wilson Dias/Agência Brasil
O ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, criticou os episódios de violência, durante entrevista no Palácio do Planalto.

Um caminhoneiro morreu na quarta-feira (30) em Rondônia, após ser atingido por uma pedra ao passar por um bloqueio montado na BR-364, próximo à cidade de Vilhena (RO), na divisa com o Mato Grosso.

Segundo o Pelotão de Trânsito da Polícia Militar de Rondônia, o motorista tinha acabado de passar por manifestantes. Testemunhas relataram que o caminhão foi perseguido e ultrapassado por um veículo cujos ocupantes arremessaram uma pedra que quebrou o para-brisa e atingiu a cabeça do caminhoneiro, que morreu no local. Policiais militares e rodoviários federais estão no local, apurando as circunstâncias do ocorrido.

A Polícia Militar afirma que já tem informações para identificar o veículo e os manifestantes suspeitos de participação no crime. A identidade do caminhoneiro que morreu ainda não foi divulgada.

Esta é a primeira morte diretamente associada às manifestações dos caminhoneiros, que começaram no último dia 21.

VIOLÊNCIA

A quarta-feira (30) registrou uma queda acentuada no número de pontos de concentração de caminhoneiros nas estradas. O número de 544 pontos de concentração registrados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) no início da tarde de hoje, caiu para 197, segundo levantamento das 19h. O dado foi informado pelo ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann. “São números extremamente claros a respeito da desaceleração que estamos tendo nesse momento [nas paralisações]”, disse o ministro em entrevista coletiva. “[O movimento] reflui porque, de fato, ficou claro para nós e para a sociedade que a pauta dos caminhoneiros estava atendida e que o movimento estava sendo infiltrado por aqueles com intenções políticas”, completou.

Jungmann informou ainda que desde o início da greve até agora 2.275 veículos de carga foram escoltados e 36,3 milhões de litros de combustível já foram transportados.

A estimativa do chefe do Estado Maior-Conjunto das Forças Armadas do Ministério da Defesa, almirante Ademir Sobrinho, é de cinco a sete dias para normalizar o abastecimento no país. Esse prazo, segundo ele, ocorre porque os caminhões estão aptos a rodar, mas a disponibilidade de combustível ainda é menor do que o necessário.

Jungmann condenou episódios de violência contra caminhoneiros que querem seguir viagem registrados em alguns estados. Em Vilhena (RO), um caminhoneiro morreu após ter sido atingido por uma pedrada. A pedra atravessou o pára-brisa e acertou a cabeça do homem. A Polícia Federal já prendeu dois suspeitos, um por ter jogado a pedra e o líder do bloqueio na estrada.

“Eu acho esse é um exemplo trágico do equívoco da violência política, da tentativa de se constranger, agredir e desnaturar um movimento que começou com reivindicações justas e atendidas pelo governo. Aqueles que cometeram esse crime serão punidos na forma da lei. E todos que cometerem crimes similares serão investigados e punidos na forma da lei”.


Fonte: Alex Rodrigues – Agência Brasil


Compartilhe com seus amigos:
 




www.correiopopular.com.br
é uma publicação pertencente à EMPRESA JORNALÍSTICA CP DE RONDÔNIA LTDA
2016 - Todos os direitos reservados
Contatos: redacao@correiopopular.net - comercial@correiopopular.com.br - cpredacao@uol.com.br
Telefone: 69-3421-6853.