CP - CP inicia série “Arquivo Popular” para comemorar 30 anos
* *
MEMÓRIA IMPRESSA
CP inicia série “Arquivo Popular” para comemorar 30 anos

Data da notícia: 2020-06-26 18:01:07
Foto: Assessoria/Divulgação
Pelos 30 anos de fundação, semanalmente, o Correio Popular publicará matérias sobre os acontecimentos que marcaram as três décadas em que o jornal está em circulação no estado de Rondônia. São fatos que marcaram a vida dos leitores e contribuíram para a informação, formação crítica e a consolidação econômica, social, política e esportiva da população. A série “Arquivo Popular” começa com as experiências de comunicação, ainda no Distrito (Vila) de Rondônia, e a iniciativa de pioneirismo na cidade de Ji-Paraná.

A circulação esporádica de edições dos jornais Alto Madeira e O Guaporé, ambos impressos em Porto Velho, estimulou, em 1976, o lançamento do semanário A Palavra na Vila de Rondônia. A publicação que tinha como editor o jornalista Dionísio Xavier. Embora fosse a primeira iniciativa de imprensa escrita local e tivesse amplo campo jornalístico a ser explorado, o jornal teve um número limitado de edições.

Entre os motivos que contribuíram para o fechamento do “A Palavra”, podem ser citadas questões ideológicas de seus membros e a insuficiência financeira para sua manutenção. Em 1991, houve nova experiência com o jornal de mesmo nome, porém sem sucesso. Neste período, parte da equipe do jornal foi absorvida pelo Correio Popular que fazia a transição de nome para assumir postura editorial mais abrangente.

O segmento de imprensa escrita viria a conhecer outras iniciativas com os jornais A Gazeta de Rondônia (1979), Diário de Rondônia (1984), A Notícia (1988), O Movimento (1989), O Eldorado (1989), Mural de Notícias/Correio Popular (1990), A Folha de Rondônia (1991), entre outros periódicos.

A maioria dos jornais lançados no município teve períodos relativamente curtos de circulação. Ainda assim, dois empreendimentos com trajetórias opostas se destacaram. Fundado para ser o jornal do interior, “O Movimento” possuía, entre outros equipamentos, uma rotativa e uma estrutura que permitiria a circulação na maioria das cidades rondonienses.

Mas, ao contrário do que se poderia supor, a empresa jornalística se manteve por poucos meses, tendo o controle editorial e econômico transferido para um grupo político da capital. Lá, ele foi rebatizado com o nome de “O Guaporé”. Por falta de habilidade dos novos proprietários, meses depois o empreendimento foi abandonado.

Folha de Rondônia
A circulação da primeira edição do jornal Folha de Rondônia, impresso em Ji-Paraná, ocorreu em 15 de agosto de 1999. Logo, a Folha de Rondônia se tornaria uma referência não só para a imprensa do município, quanto para os outros órgãos rondonienses de comunicação. Dos quatro maiores jornais (Alto Madeira, O Estadão do Norte e Diário da Amazônia) com circulação diária, em Rondônia, a Folha foi o único a instalar a sede fora da capital. Estratégia de êxito dos empresários Pedro André de Souza e Arno Voight.

O controle da Folha de Rondônia foi transferido a um grupo político, em 2002, e encerrou as atividades em 12 de junho de 2012.

O Mural de Notícias foi uma publicação semanal que deu lugar ao jornal Correio Popular. A mudança de nome não só provocou alterações na postura editorial, como também na tradição de as empresas do interior circularem com edições semanais.

O aumento na tiragem do Correio Popular foi gradativo, passando para duas edições semanais, até alcançar à impressão diária de seus números em novembro de 1997. O Correio Popular foi o primeiro jornal do interior de Rondônia a ter edições diárias. Próximo de completar 30 anos de fundação, o CP é o mais antigo veículo de informação impressa em atividade no estado de Rondônia.

Diário do Povo
Em 25 março de 2006, o empresário Pedro André de Souza, que havia participado dos empreendimentos dos jornais: A Palavra e Folha de Rondônia, inaugurou o jornal “Diário do Povo”, sua terceira participação em veículos impressos de comunicação. O Diário do Povo também tinha a sede em Ji-Paraná, e assim como a Folha de Rondônia, sua cobertura jornalística e logística tinham como foco o interior rondoniense. Entretanto, complicações financeiras levaram o jornal a parar as máquinas e a dispensar funcionários em dezembro do mesmo ano.


Fonte: Ji-Paraná e sua história


Compartilhe com seus amigos: